A Balada de Adam Henry, Ian McEwan (#6)

  • quinta-feira, setembro 29, 2016
  • By Aline Lanis
  • 26 Comments


Recebi meu exemplar da Mell Ferraz do blog Literature-se como prêmio de um desafio feito na Maratona Literária de Férias, mas antes disso já tinha visto a resenha dela sobre o livro e tava louca pra comprar e ler. Imaginem a felicidade quando ela disse que me daria esse livro HAHAHA

O livro é contado em terceira pessoa e foca completamente na vida de Fiona Maye, juíza do Tribunal Superior especializada em em direito de família. Mas apesar de seu sucesso profissional ela com seus quase sessenta anos se arrepende de não ter tido filhos e vê seu casamento desmoronar. No meio das turbulências de sua vida pessoal Fiona precisa lidar com o caso de Adam Henry, um garoto de dezessete anos que sofre de leucemia e depende de uma transfusão de sangue para sobreviver, porém seus pais são testemunhas de Jeová e recusam o tratamento.

Vi a resenha da Mell sobre o livro um pouco antes das minhas aulas da faculdade voltarem e assim que descobri o tema tratado fiquei muito curiosa. Esse semestre eu estou tendo aula sobre Ética Profissional e o assunto do livro, a decisão que Fiona precisa fazer me chamou muita atenção.

Faço psicologia e não direito. Mas ética é ética. E a história nos coloca numa posição muito delicada. Até que ponto o respeito pelas crenças do outro pode ir sem que ninguém saia morto? E até que ponto devemos levar em consideração a vida acima de tudo, inclusive da vontade da pessoa em risco?

Um detalhe que eu não sabia antes de ler esse livro é de que o próprio Adam não quer a transfusão. Antes achava que apenas os pais estavam indo contra ao tratamento. Isso me fez ter uma expectativa totalmente diferente do livro. Mas não, Adam sabe de sua situação e segue com sua crença mais forte do que nunca. Ele não quer o tratamento. Ele quer morrer por sua fé. Quer ser um tipo de herói.

Fiona, ao visitar Adam, reflete bastante sobre isso. Até que ponto somos nós mesmos em nossas atitudes e pensamentos? Seríamos nós de certa forma extensões de nossos pais? Não que a nossa subjetividade não exista. Não. Inclusive o próprio Adam nos mostra o tanto de singular que nós somos mais adiante na história. Talvez tudo que precisamos é de um tapa da vida para nos livrarmos das ideias que não são verdadeiramente nossas.

Mas apesar do título o foco não é Adam. O foco é Fiona. Grande parte da minha leitura eu nem lembrava do tal garoto. Fiona é a personagem que te faz ler e ler sem parar. Eu não conseguia largar o livro por causa dessa mulher. E que mulher.

Fiona é uma das personagens mais humanas que já lia té agora. Ian McEwan a retrata de forma tão real e tão sincera. Ela é uma mulher forte, mas é fraca também. Não somos fortes 100% do tempo. Ela está em crise. Está chegando na velhice, seu corpo não é mais belo como antes, arrependimentos do que não fez aparece e ainda tem a bomba que o marido lhe trás já nas primeiras páginas.

Ela se vê  estado de abandono, despedaçada por dentro mas tendo que manter a aparência e continuar forte por fora. A insegurança de olhar para o mundo e dizer que está solteira a assusta. Por aliás, uma mulher com seus sessenta anos solteira? Nada aceitável. Ela fica totalmente desamparada logo quando a idade mais pede por carinho e atenção.

"Naquela manhã, ao acordar com uma parte fria da cama à sua esquerda - uma forma de amputação -, ela sentiu a primeira dor convencional do abandono. Pensou no que Jack tinha de melhor e sentiu saudade [...]. Aquela entrega total, em que se sentia como uma criança antes de pular da cama e vestir a armadura de mulher adulta, pareceu ao despertar uma necessidade básica da qual estava sendo privada."

Seus sentimentos por Adam a deixa desestabilizada. Os dois acabam criando certo laço sentimental e de repente toda sua vida exemplar, disciplinada e cheia de ambição vira de cabeça para baixo. E como uma mulher maravilhosa que é, ela é obrigada a reconstruir todos os cacos da vida dela que estão aos seus pés.

Acho que nem preciso dizer o tanto que amei essas personagens. Ian McEwan sabe criar personagens minha gente. Já tô louca para ler outros livros desse homem maravilhoso. A Balada de Adam Henry (que aliás, é o título de um poema escrito pelo Adam que é lindo demais) se tornou um dos meus livros favoritos da vida. E deixo aqui um conselho: se tiver a oportunidade de ler esse livro, leia.

Título Original: The Children Act.
Autor: Ian McEwan
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 196
Tradução: Jorio Dauster
COMPRAR

O que achei?
não me cativou | okay | legal | me cativou | amei demais | alma gêmea | ONDE ESSE LIVRO TAVA SE ESCONDENDO?

You Might Also Like

26 comentários

  1. Nossa, que história impressionante. Fiquei com muita vontade de ler principalmente por causa da Fiona, a mulher tem que ser forte e imagino o quanto será difícil para ela reconstruir a vida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O livro é bem impactante, e a Fiona foi mto bem construida.

      Eliminar
  2. Nossa, esse livro parece ser tão legal, me lembrou uma serie que passou agora "A Justiça" que colocou ética e respeito nas relações socais. Tem pessoas que possuem duras decisões na vida, sobre a sua ou a do outro. Fiquei encantada, quero ler.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem conhecia essa série, poxa hahaha

      Sim,são questões bem delicadas... espero que goste da leitura!

      Eliminar
  3. Não conhecia esse livro, nem esse autor. Mas amei essa dica de livro, vou procurar saber um pouco mais sobre esse autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eu já to louca pra ler outros livros dele :)

      Eliminar
  4. Nunca tinha ouvido falar desse livro, mas confesso que me interessei muito pela história do livro!
    Vou procurar um pouco mais sobre o livro e já colocar na lista infinita de desejados hahah
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. hahaha eu abandonei minha lista de desejados.
      tá parada coitada.

      beijos

      Eliminar
  5. eita! me encantei pela capa e a história me prendeu mt a atençao! mesmo! salvei nos favoritos pra comprar <3

    ResponderEliminar
  6. Parece ser bem legal. Parabéns pela resenha.
    Beijo www.blogjessribeiro.com.br

    ResponderEliminar
  7. Uau ♥
    Esse livro me parece ser muito bom!
    Eu adorei a resenha e já estou procurando ele por aqui ahaha

    ResponderEliminar
  8. Nossa só pela resenha já da pra ver que é bom! Achei incrível a história e quero muito ler!!!
    Blog da Vicky

    ResponderEliminar
  9. Olá moça! O livro parece mt bom! Só pela resenha já fiquei curiosa.
    Bjks!

    www.mundinhodahanna.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá! Adoro quando deixo alguém curiosa hahaha leia, vale a pena!

      Eliminar
  10. O livro parece ser muito bom, fora a personagem! Amei demais, nunca tinha ouvido falar, já vou anotar na listinha!

    www.entregalaxiasblog.blogspot.com

    ResponderEliminar
  11. Olha, eu to apaixonada pela forma que você falou desse livro, da Fiona, de tudo. Nenhuma resenha me fez tanto querer ler um livro, principalmente um que normalmente não é meu tipo. Obrigada por me mostrar que eu preciso dessa leitura ♡

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada! Eu adorei falar um pouco dele, eu tive uma experiência ótima lendo, espero que você também tenha! <3

      Eliminar
  12. Que livro diferente né, adorei a resenha e já vou procurar pra ler!

    ResponderEliminar
  13. A história parece ser super envolvente, fiquei com muita vontade de ler e conhecer esses personagens que parecem ser cativantes! ♥

    ótima resenha!

    ResponderEliminar