As Vantagens de Ser Invisível, de Stephen Chbosky (#23)

by - quarta-feira, março 15, 2017

Título Original: The Perks of Being a Wallflower
Autor: Stephen Chbosky
Editora: Rocco Jovens Leitores
Páginas: 223
Tradução: Ryta Vinagre
COMPRAR

O que achei?
não me cativou | okay | legal | me cativou | amei demais | alma gêmea | ONDE ESSE LIVRO TAVA SE ESCONDENDO?

Ah, o que dizer desse livrinho tão pequeno e que parece ser tão simples quando na verdade é carregado de história tristes e pesadas? Mas o mais incrível é que você quase não nota isso, e acho que esse é o motivo de eu amar tanto esse livro.

De novo, esse foi uma releitura. Acho que esse mês só vai ter releituras aqui, com exceção "Doce Inocência". Descobri a história de Charlie como quase todo mundo, pelo filme estrelado pela Emma Watson, Logan Lerman e Ezra Miller e tem participação da Nina Dobrev também. Admito que só quis ver pelos atores mas ainda bem que vi. Esse filme me trouxe muita alegria, assim como o livro que li pela primeira vez algum tempo depois.



"As Vantagens de Ser Invisível" é um livro composto apenas de cartas escrita por Charlie para uma pessoa desconhecida. O destinatário não sabe quem envia essas cartas, Charlie as envia porque quer conversar com alguém sobre o que acontece com ele.
Aliás vale lembrar que logo no início da primeira carta, Charlie diz que vai mudar todos os nomes pois não quer ser descoberto. Então, na verdade não sabemos nem o nome verdadeiro dela... não gosto de pensar nisso.

Charlie é um garoto de 15 anos prestes a começar o ensino médio e ele teme sua experiência já que não tem amigos desde que seu melhor amigo se matou no ano anterior. É então que quase que sem querer ele faz amizade com Sam e Patrick, veteranos e não se vê mais sozinho. Ele é o caçula de três filhos. O irmão mais velho está na faculdade e sua irmã, Candace, é veterana assim como seus amigos.


Ele então, agregado ao grupo amigo de Sam e Patrick, começa a frequentar festas e notar tudo ao seu redor. Sendo um garoto quieto e solitário, é o que mais faz. Aliás, daí que vem o nome "Wallflower" do título original. Essa palavra não tem tradução para o português, mas é aquela pessoa que não "participa" e só observa. E o que vemos praticamente o livro todo, é um Charlie se esforçando para "participar". Esse esforço começa a ser maior quando ele vê o quão bom é ter uma amizade verdadeira.

"Não sei o que as outras pessoas achavam de mim. Não sei o que elas pensavam. Eu estava sentado no chão de um porão, na minha primeira festa de verdade, entre Sam e Patrick, e lembro que Sam me apresentou como amigo a Bob. E lembro que Patrick fez a mesma coisa com Brad. E comecei a chorar. E ninguém naquele porão me achava estranho por estar fazendo isso. E depois eu comecei a chorar pra valer." pág 48

É possível notar o quão importante isso é para ele. Ele é visto como estranho por todos, inclusive pela sua família. E nem ele mesmo entende o que se passa. O livro nos faz pensar que talvez seja por conta da morte de sua Tia Helen, a quem ele fala várias vezes o quanto adorava ela.
Mas ao fim do livro, descobrimos o que aconteceu com Charlie quando ele era criança, coisa que não fica tão claro no filme.

O livro, como disse antes, é cheio de histórias tristes e pesadas como estupro, violência contra a mulher, depressão e suicídio. Mas Stephen Chbosky não entrega essas coisas assim pra chocar. Ele nos conta a história dessas pessoas, seus traumas, modo como lidam com a vida. E o livro é tão positivo. Há livros com visões pessimistas, esse não é um desses.

Pra mim, a principal mensagem que captei foi essa: Só porque há pessoas com uma situação pior que você, não quer dizer que sua tristeza não é importante. Vai ficar tudo bem.

"Então, acho que somos quem somos por várias razões. E talvez nunca conheçamos a maior parte delas. Mas mesmo que não tenhamos o poder de escolher quem vamos ser, ainda podemos escolher aonde iremos a partir daqui." pág 221

You May Also Like

8 comentários

  1. Oi Aline!
    Eu também gostei da forma leve que o autor utilizou para abordar os assuntos e não havia assistido o filme até o ano passado. Gostei da forma que você escreveu e como fui levada a ele da mesma forma que você super entendo a necessidade de ler o livro Hahahaha
    Falei sobre ele no Ponto para Ler, blog que eu e meu marido mantemos com tanto carinho. Depois dá uma olhada lá para ver o que achou da crítica que escrevi!
    Beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oie!
      Vou dar uma olhada sim!

      Fico feliz que tenha gostado.
      Beijos

      Eliminar
  2. Sou loucaaaa por esse livro. Tenho a versão em inglês original e tenho muito amor e cuidado com ela haha. To querendo ler de novo pra resenhar por causa do projeto da Rory Gilmore!

    xox
    Próxima Primavera

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quero muito ele em inglês!
      Não sei pq mas eu sempre quero a versão original dos livros que gosto haha

      Então, fiquei super feliz de ter ele na lista da Rory. É sempre prazeroso riscar mais um título e.e

      Eliminar
  3. Olá Aline

    Eu já tinha ouvido falar sobre esse livro e estou querendo muito ler, porem ainda não tive a oportunidade de comprar. Gostei bastante do seu post. Espero conseguir comprar pois estou bastante curiosa para saber qual sera o empacto que eu terei em ler. 😚

    ResponderEliminar

  4. Aline sua lindaaaa ♥♥♥
    Tenho tanta vontade de ler esse livro, desde que lançou o filme.
    Não sei por qual motivo ainda não li, mas depois da sua resenha minha vontade aumentou. Quero saber o que aconteceu com ele, fiquei muito curiosa.
    Adorei a resenha :)
    ótima quinta
    bjo

    Tati C.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. hahaha as vezes a gente vai esquecendo do que quer ler né?

      Obrigada! ♥

      Eliminar